Compromisso para renovar a vida

Para o planeta

Combater a crise climática

Clique abaixo para saber mais sobre cada compromisso

Nosso progresso

60,2 %

contexto

As mudanças climáticas são um desafio global relevante. Segundo o relatório anual de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial¹, nos próximos dez anos, os riscos de maior probabilidade são: o fracasso da ação climática (em 1º lugar) e os extremos meteorológicos (em 2º lugar). O planeta vem registrando aumentos de temperatura, especialmente devido às ações antrópicas, que promovem a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE), resultando em uma série de impactos² em ecossistemas naturais e comunidades e no desenvolvimento de atividades econômicas.

O IPCC, em seu reporte Climate Change and Land³, descreve que “em todas as vias modeladas avaliadas que limitam o aquecimento a 1,5°C ou bem abaixo de 2°C requerem mitigação terrestre e mudança de uso da terra, com a maioria incluindo diferentes combinações de reflorestamento, arborização, redução do desmatamento e bioenergia com alta confiança.”

 

A Suzano tem uma base florestal significativa, com aproximadamente 2,4 milhões de hectares de área total, que inclui plantio de eucalipto (afforestation) e uma das maiores áreas de matas nativas protegidas privadas do Brasil (conservação e reflorestamento), com aproximadamente 1 milhão hectares. Para os próximos anos, temos estratégias de expansão em áreas antropizadas ou degradadas, ampliando a cobertura vegetal. Juntas, as áreas de conservação e os plantios de eucalipto contribuem diretamente para remoção e estoque de CO₂.

Entendemos que atuar no combate as mudanças climáticas é um papel de todos, e a operação integrada do nosso negócio - que une nossas florestas às Unidades Industriais - nos colocam como atores centrais no avanço dessa agenda. Ao compreender a importância de medidas efetivas no curto prazo, a Suzano reafirmou o seu compromisso de remover mais carbono da atmosfera do que emite e anunciou a antecipação em cinco anos da meta de remover 40 milhões de toneladas de CO₂e da atmosfera, de 2030 para 2025. Mantemos o compromisso de fazer mais do que neutralizar emissões diretas e da cadeia. Nosso objetivo é remover quantidades adicionais significativas de carbono da atmosfera, contribuindo assim com a mitigação dos efeitos da crise climática global.

informações sobre o KPI da meta
escopo

Remoção líquida de carbono resultante do balanço entre as emissões do escopo 1 (direto), escopo 2 (de aquisição de eletricidade) e escopo 3 (emissões indiretas) e remoção de CO₂ por meio do plantio de eucalipto e áreas de conservação.

baseline
0 (2020⁴).
ambição
Remover 40 milhões de toneladas de carbono - de zero a 40 milhões até 2025.
resultados em 2021

Em 2021, alcançamos um acumulado de balanço de -24.096.569 ton CO₂e, que representa um atingimento de 60% da meta. Considerando o balanço entre as nossas emissões de escopos 1, 2 e 3 e as remoções oriundas das nossas florestas plantadas e conservadas, alcançamos o saldo de 15.200.312 ton CO₂e e 8.896.258 ton CO₂e removidos da atmosfera em 2020 e 2021 respectivamente⁵. É esperado que ocorra uma variação ao longo dos anos, pois o valor varia conforme as emissões (escopo 1, 2 e 3) e o volume de remoções relacionadas, por sua vez, ao manejo florestal, ao volume de madeira existente no campo e ao incremento em nossas áreas de conservação.

Acompanhamento do kpi
Acompanhamento do KPI:20202021⁶
tCO₂e tCO₂e

Balanço de CO₂

-15.200.312,00

-24.096.569,15

O que faremos em 2022

Temos como objetivo novamente atingir um saldo significativo de remoção líquida de carbono⁷, manter o nosso balanço positivo entre remoções e emissões e reforçar o compromisso da Suzano com a jornada de combate à crise climática.  Para que isso aconteça, ampliaremos as áreas de conservação e de base plantada e seguiremos atuando para garantir uma alta produtividade florestal, ampliando também a proteção de áreas de conservação e os projetos de monitoramento de riscos e o emprego de tecnologia e ciência na floresta, conforme ações desenhadas para os primeiros anos da meta.

É importante ressaltar que a expansão trará grandes ganhos para a meta nos primeiros anos, e posteriormente, o nível de remoção diminuirá, sendo suportado pela contínua remoção das áreas de conservação. Além disso, a Suzano atuará também para reduzir a intensidade das suas emissões de escopo 1, 2 e 3 por meio da redução do consumo de insumos que geram Gases de Efeito Estufa em toda a nossa operação.

 

Em linha com o compromisso de estar sempre atualizado com as melhores metodologias e práticas, em 2022 a Suzano participará do piloto do Greehouse Gas Protocol, que está desenvolvendo um novo guia de como as companhias contabilizam e reportam suas emissões e remoções vinculadas ao uso da terra (Land Sector and Removals Guidance⁸). Temos também acompanhado a evolução na metodologia do Science Based Target Forest and Land Use⁹ e estudaremos ao longo de 2022 a necessidade de revisão das bases metodológicas. Além disso, estudamos possibilidades de geração de créditos de carbono por projetos florestais (eucalipto e nativas) e de engenharia. Importante ressaltar que a Suzano possui uma das menores intensidades de emissão de carbono (tCO₂e/t produto), segundo o Transition Pathway Iniciative (TPI), e que o nosso objetivo é continuar sendo líder em uma agenda positiva para o clima.

  1. Saiba mais em: https://www.weforum.org/reports/global-risks-report-2022
  2. Fonte: Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC - Em inglês).
  3. Fonte: https://www.ipcc.ch/site/assets/uploads/sites/4/2020/02/SPM_Updated-Jan20.pdf
  4. A Suzano removeu carbono da atmosfera anteriormente, mas, para efeito da meta, as remoções serão contabilizadas a partir de 2020.
  5. O cálculo de estoques e remoções de gases de efeito estufa em áreas de florestas plantadas e em áreas destinadas à vegetação nativa de 2021 e suas respectivas metodologias foram auditadas por terceira parte, conforme os padrões da NBR ISO 14064 e do Programa Brasileiro GHG Protocol, assim como recomendações do Guia de Boas Práticas para Uso do Solo, Mudança de Uso do Solo e Florestas (2003, do Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (IPCC).
  6. O valor do indicador é referente ao acumulado de 2020 e 2021
  7. Para mais informações sobre a metodologia de contabilização acesse: Remoções de Carbono. Para mais informações sobre o contexto e relação da Suzano com as Mudanças Climáticas acesse: Suzano pelo Clima
  8. Fonte: https://ghgprotocol.org/land-sector-and-removals-guidance
  9. Fonte: https://sciencebasedtargets.org/sectors/forest-land-and-agricultur
Este conteúdo foi útil?

Compartilhe este conteúdo:

Nosso progresso

43,1 %

contexto

As mudanças climáticas são um desafio global relevante. Segundo o relatório anual de Riscos Globais do Fórum Econômico Mundial¹, nos próximos dez anos, os riscos de maior probabilidade são: o fracasso da ação climática (em 1º lugar) e os extremos meteorológicos (em 2º lugar). O planeta vem registrando aumentos de temperatura, especialmente devido às ações antrópicas, que promovem a emissão de Gases de Efeito Estufa (GEE), resultando em uma série de impactos² em ecossistemas naturais e comunidades e no desenvolvimento de atividades econômicas.

Aliado à necessidade de atuar na mitigação e adaptação às mudanças climáticas, o setor privado vem assumindo protagonismo nessa agenda e buscando entender como estas questões já afetam o seu desempenho econômico-financeiro, e quais estratégias de negócios podem responder aos cenários previstos de aumento de temperatura. Isso inclui tanto riscos como oportunidades associadas a uma economia resiliente às mudanças do clima e de baixo carbono - isto é, orientadas à geração de capital com menor intensidade na emissão de GEE.

Na busca pela eficiência de processos, historicamente já reduzimos consideravelmente as emissões atreladas à nossa produção. Com um grau de renovabilidade na matriz energética³ superior a 87% (escopo 1), os indicadores de intensidade de emissões de GEEs por tonelada de produto produzido da Suzano atualmente já são um dos menores do setor, sendo evidenciado pelo Transition Pathway Initiative⁴. A Suzano já apresenta um indicador de intensidade baixo quando comparada com os principais concorrentes de mercado.

Entendemos que atuar no combate às mudanças climáticas⁵ é um papel de todos e a operação integrada do nosso negócio - que une nossas florestas às Unidades Industriais - nos colocam como atores centrais no avanço dessa agenda. Por isso, garantir que vamos continuar trabalhando na descarbonização das nossas operações nos inspira a desenvolver soluções melhores.

informações sobre o KPI da meta
escopo

O somatório das emissões resultantes do nosso processo produtivo (escopo 1) e da aquisição de energia elétrica (escopo 2), mapeadas anualmente no Inventário⁶ de Gases de Efeito Estufa, em relação ao volume de produtos acabados.

Nossa meta de intensidade de emissões está alinhada com o Acordo de Paris, estabelecido em 2015. A nossa intensidade de emissões já é uma das menores do setor, segundo a Transition Pathway Initiative.

baseline
0,2133 tCO₂e/t (ano: 2015⁷).
ambição

Reduzir em 15% a intensidade das emissões de Gases de Efeito Estufa dos escopos 1 e 2 - de 0,2133 tCO₂e/t para 0,1813 tCO₂e/t até 2030.

resultados em 2021

Em 2021, a intensidade de nossas emissões (escopos 1 e 2) por tonelada de produção foi de 0,1995 tCO₂e/t⁵. Houve uma redução acumulada de 6,5% em 2021, o que representa um avanço de 43,1% em direção ao atingimento da meta.

As emissões de Escopo 1 subiram 8,0% e as de Escopo 2 aumentaram 132%, o que representa um aumento global (Escopo 1 + 2) de 11,4%. Além disso, a Suzano apresentou aumento de produção em relação a 2020, o que contribui para que o aumento da intensidade (3,5%) seja menor do que o das emissões absolutas, seguindo o compromisso de maximizar a eficiência e entrega com menor intensidade de emissões.

Em relação ao Escopo 1, o aumento das emissões no últimos anovem acompanhando o crescimento da produção. Ainda assim, quanto maior a produção, maior é a geração de energia com base na biomassa, no licor negro e no metanol renovável (combustível renovável/subproduto de processo), diminuindo a necessidade de consumo de combustíveis fósseis como gás natural. Paralelo a isso, os grupos de trabalho de Energia e de Recuperação e Utilidades continuaram executando processos para ampliar a eficiência na geração de energia, reduzindo a necessidade de combustíveis fósseis e ampliando o uso de combustíveis renováveis. Em relação às operações florestais, houve aumento das emissões decorrente de uma maior atividade florestal, tanto de silvicultura quanto de colheita.

Em relação ao Escopo 2, as unidades que importam energia do sistema nacional tiveram um aumento, visto que o fator médio de emissão para a eletricidade oferecida no Sistema Interligado Nacional (SIN) aumentou 105%, devido ao maior acionamento de Usinas Termelétricas com a crise energética que o país enfrentou. 

É importante ressaltar que o indicador de produção representa a somatória de toda a nossa produção acabada de celulose, papel, embalagens e bens de consumo. Este número se diferencia dos números de produção divulgados em demonstrações financeiras.

A nossa ambição foi construída utilizando o histórico de dados da antiga Fibria e Suzano. Na prática, observamos que após a fusão a empresa tornou-se mais eficiente, as integrações dos processos industriais e florestais, nas regiões que as duas empresas tinham atuação, gerou ganhos em eficiência que se reverteram em redução das nossas emissões. Com o atingimento expressivo da meta nos últimos anos, a Suzano está trabalhando na revisão da ambição da meta alinhada a Science Based Target Initiative (SBTi¹¹).

Acompanhamento do kpi
Acompanhamento do KPI:Emissões Escopo 1 e 2Resultados atingidos: emissões
tCO₂e tCO₂e/t

2015

2.140.620,90

0,2133

2016

2.073.041,38

0,2066

2017

2.146.946,14

0,2005

2018

2.330.110,60

0,1930

2019

2.213.636,48

0,2002

2020

2.214.634,59

0,1929

2021⁸

2.466.158,17

0,1995

O que faremos em 2022

Independentemente do resultado alcançado em 2021, a Suzano seguirá executando iniciativas para reduzir o consumo de combustíveis fósseis em suas operações, buscando aumentar a sua matriz energética renovável, que atualmente é de 87,7% para o Escopo 1.

Com o atingimento expressivo da meta nos últimos anos,  a Suzano está trabalhando na revisão das bases metodológicas da meta para ampliar a ambição, tanto de emissões próprias quanto da cadeia de valor. Para isso, em 2021 aderimos às iniciativas Business Ambition for 1.5°C¹⁰ e Race to Zero¹¹ e assinamos o compromisso com a Science Based Target Initiative (SBTi⁹). A Companhia irá lançar, dentro do prazo estabelecido pela iniciativa, uma meta de descarbonização em linha com o 1.5°C de ambição, considerando todos os critérios técnicos e científicos do SBTi. Além disso, também aderimos ao CDP Supply Chain de Mudanças Climáticas para auxiliar nossa cadeia de valor (Escopo 3) na jornada de descarbonização. 
 

  1. Saiba mais em: http://www3.weforum.org/docs/WEF_The_Global_Risks_Report_2021.pdf
  2. Fonte: Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas (IPCC - em inglês).
  3. Para mais informações sobre a nossa Gestão sobre energia acesse: Gestão sobre Energia1
  4. Fonte: https://www.transitionpathwayinitiative.org/sectors/paper
  5. Para mais informações sobre o contexto e relação da Suzano com as Mudanças Climáticas acesse: Suzano pelo Clima
  6. O Inventário de Gases de Efeito Estufa de 2021 foi verificado externamente, conforme os padrões da NBR ISO 14064 e do Programa Brasileiro GHG Protocol, e verificados por terceira parte independente.
  7. Todas as informações necessárias para o estabelecimento da meta foram extraídas dos Inventários de Gases de Efeito Estufa gerados pelas antigas empresas (Suzano Papel e Celulose e Fibria).
  8. A meta de redução de emissões possui uma meta específica para 2021, já que está relacionada às emissões financeiras Sustainability-Linked Bonds (SLB) e Sustainability-Linked Loan (SLL). Para saber mais sobre nossas emissões financeiras, acesse o nosso Relatório 2020.
  9. https://sciencebasedtargets.org/companies-taking-action
  10. https://www.unglobalcompact.org/take-action/events/climate-action-summit-2019/business-ambition/business-leaders-taking-action
  11. https://unfccc.int/climate-action/race-to-zero-campaig
Este conteúdo foi útil?

Compartilhe este conteúdo: