contexto

Aa  emissões indiretas de GEE (Escopo 2) incluem, entre outras, as emissões de CO₂ provenientes da compra ou aquisição de geração de eletricidade, aquecimento, refrigeração e vapor pela organização para consumo próprio.

Emissões indiretas de Gases de Efeito Estufa (Escopo 2)

Emissões indiretas de Gases de Efeito Estufa (Escopo 2) provenientes da aquisição de energia¹201920202021
tCO₂e tCO₂e tCO₂e

Total

71.225,59

59.531,90

137.822,64

Informações complementares

As emissões indiretas por aquisição de energia (Escopo 2) da Suzano ocorrem em razão da compra de energia elétrica do Sistema Interligado Nacional (SIN), o sistema de produção e transmissão de energia elétrica do Brasil. Essas emissões são mais representativas nas Unidades Industriais, principalmente para as máquinas de papel, que demandam abastecimento contínuo de eletricidade. Como a Suzano é uma empresa que autogera boa parte de sua energia consumida, as emissões de Escopo 2 são pouco representativas no inventário global.

Houve um aumento da importação de energia elétrica de 11%, compatível com o aumento de produção da Suzano. Contudo, o aumento de emissões do Escopo 2 da Suzano, em 2021, foi principalmente influenciado pelo aumento de 105% no fator médio de emissão para a eletricidade oferecida no Sistema Interligado Nacional pelo Ministério da Ciência e Tecnologia e Inovações (MCTIC) do Brasil, que deve-se ao aumento do acionamento de Usinas Termelétricas com a crise energética que o país enfrentou em 2021.

*Fatores de emissão de CO₂ pela geração de energia elétrica no Sistema Interligado Nacional do Brasil para inventários corporativos – Ano Base 2021 - consulta realizada para o Inventário Suzano – fevereiro de 2022:
https://antigo.mctic.gov.br/mctic/opencms/ciencia/SEPED/clima/textogeral/emissao_corporativos.html– Emissões verificadas por terceira parte independente

Para saber mais sobre a gestão de emissões de GEEs, acesse “Emissões de Gases de Efeito Estufa (GEEs) e metodologia”.